segunda-feira, 30 de agosto de 2010

HOLANDA O PAIS DAS AGUAS I - POLDERES HOLANDESES

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010


OS POLDERES HOLANDESES









Holanda da Golden Age, de Rembrandt e Van Gogh, da Cia das Indias Ocidentais...
Holanda dos diamantes e das tulipas, de Piet Mondriaan e suas paisagens de linhas retas e cores primárias, ordem e harmonia.
Imagens recorrentes na cultura dos Países Baixos (termo correto).
Porém algo está faltando...algo que chama rapidamente a atenção de quem mora aqui. A natureza e suas paisagens aquáticas e geométricas. Compostas com ordem, ritmo e harmonia.
Vistas do alto são formadas por quadrados, retângulos e tiras de diversos tamanhos. Grandes áreas verdes de todos os tons possíveis, ocres, marrons e beges. Um deleite pra um olhar atento e sensível, algo como apreciar arte. Um jogo de cores que se situa entre as luzes de Rembrandt e as cores de Van Gogh. Remete diretamente a Mondriaan e assim fica claro de onde vem sua obra ordenada e metódica.






São os famosos polderes holandeses. Uma característica tipicamente local, não tão popular quanto tulipas, bicicletas ou tamancos de madeira, mas infinitamente mais importantes e vitais.
Polder não é uma palavra muito conhecida, especialmente pra quem vem (como eu) de um país como o Brasil com território gigantesco e muito longe desse tipo de problemas: geográfico, climático e de falta de espaco. 
Mas a curiosidade me move, e fui atrás para saber um pouco mais sobre o mundo das águas dos holandeses, seus polderes, diques e barreiras.
Os polders são uma construção tecnológica, uma obra de engenharia hidráulica, que juntamente com os diques e barreiras salva a Holanda da inundação pelas águas.

È isso mesmo, inundações!

Grande porção de seu território está abaixo do nível do mar o que o torna vulnerável as mudanças do clima, sobretudo de tempestades, chuvas, provocando transbordamento de rios e marés altas.
Há muitos anos atrás quase toda a região ocidental era praticamente tomada pelas águas.
Ao longo do tempo o mar invadiu repetidamente suas terras, causando estragos, perdas e desastres. Para se proteger e alargar as áreas férteis foram construídos diques e polders.
No século XI os diques serviam apenas para fazer uma barreira contra a invasão das águas marinhas.
Mais tarde entre os séculos XV e XVII foi iniciada a construção de inúmeros diques a fim de proteger a costa das águas do mar e desse modo possibilitar o cultivo dessas terras.

Sem dúvida, uma marca tipicamente holandesa e que merece destaque e louvor é a luta desse povo contra as águas. O desenvolvimento do país teve como determinante a questão das águas e tudo por aqui, da cultura a economia e até mesmo o caráter nacional, passa por essa questão.
Após a conclusão dos diques foi necessário enxugar as terras tomadas ao mar, para esse fim foram utilizados os famosos moinhos de vento holandeses, que bombeavam a água de volta para o mar. Faziam o trabalho de secagem das terras, nascendo assim os polderes, que nada mais são do que fatias de território tomadas do mar, (de rios, lagos ou lagoas) e drenadas a fim de serem cultivadas pelo homem. A drenagem também era feita através de canais transversais, sendo estes a característica forma da paisagem local.

O ano de 1916 marcou definitivamente o futuro dos Países Baixos. Uma grande enchente na região de Zuiderzee (Mar do Sul, que é atualmente o lago de água doce Ijsselmeer) determinou implementação de um projeto que há tempos esperava por concretização. A construção do grande dique Afsluitdijk que separou o Noordzee (Mar do Norte) do Zuiderzee e ligou as duas províncias, Holanda do Norte e Frísia. O dique tem 32 km de comprimento, está 7, 2 m acima do nível do mar e sobre ele passa uma auto-estrada com duas pistas e uma ciclovia.



Afsluitdijk, o Grande Dique construído entre 1927 e 1933 





Afsluitdijk visto do mirante que se encontra ao longo dele



No ano de 1953 houve outro acidente climático. Grandes inundações onde as marés altas e um furacão destruíram um dique de proteção no sudoeste do país (onde se encontra o delta dos rios Reno, Escalda e Mosa) causando a morte de milhares de pessoas e destruindo mais de 160.000 hectares de terra.
O fato foi determinante para que as autoridades revissem o sistema de proteção, empreendendo o maior projeto hidráulico de contenção das águas.
O Projeto Delta (Deltawerken).
Demorou 30 anos para efetivarem completamente o projeto composto por várias obras.
Como o fechamento das saídas para o Mar do Norte com a construção de numerosos e potentes diques e encurtou a costa em 700km. Por outro lado possibilitou a criação de uma rede de transportes que inclui rodovias, pontes e barragens facilitando a comunicação entre a região e diversas cidades dos Países Baixos.
Atualmente a Holanda conta com um sistema especial de controle das águas chamado Waterschappen ou Hoogheemraadschap. São conselhos sobre o gerenciamento das águas em todo território holandês, onde são mantidos sob controle diário, o nível das águas dos canais, polderes, controle de diques e de todo os sistema de proteção existente. Os antigos moinhos foram substituídos por modernas estacoes de bombeamento  elétrico.
O controle das águas marca profundamente o caráter dos holandeses, sua vida diária é influenciada por essa questão tão presente na história do País. Os polderes fazem parte do patrimônio holandês e assim se constitui uma de suas preciosas riquezas, não só pelo orgulho nacional de vitória contra as forças opressivas da natureza, mas como algo incorporado no inconscente coletivo de todos.











Curiosidades:

•O nome correto em português é Países Baixos (Nederland, em holandês). O termo Holanda é incorreto, mas popularmente usado para se referir ao país. Na verdade é o nome de 2 regiões: Noord Holland e Zuid Holland

•A Holanda tem mais de 3.000 polderes

•O aeroporto de Schiphol, em Amsterdam está a 4,5 metros abaixo do nível do mar;

•Muitas cidades, rios e lagos represados têm no nome uma referência a água:Amsterdam, Rotterdam. Dam=dique

•A arquitetura tem forte influência da "questão polder", isso se reflete na forma dos prédios, ruas e casas através do ritmo evidente em sua disposição;

•Fala-se no "Modelo Polder holandês" se referindo ao processo de organização e método na resolução de todo e qualquer assunto;

•A palavra polder em holandês é usada como referência a todas as coisas típicas holandesas

•A autoria do projeto do dique Afsluitdijk é de Cornelis Lely;

•A província de Flevoland passou a existir somente após o ano de 1949,

•Devido a constante presenca da agua em muitas cidades holandesas a natação é um esporte presente em todas as escolas. Num determinado ponto do aprendizado as crianças começam a prática vestidas, experenciando técnicas de sobrevivencia e salvamento.


Amst, 29 de Janeiro 2010.



2 comentários:

  1. Adorei!!!!apreendi um pouco mais, e muito nesta breve leitura.Abç.
    Maria Luiza MArcon - Brasil-

    ResponderExcluir
  2. Oi Iza, que bom te ver aqui! beijão e obrigada!

    ResponderExcluir